Remédios emagrecedores voltam ao mercado, mas exigem atenção.

Após um mês e meio da sanção da lei que permite a produção, venda e uso de quatro inibidores de apetite, também conhecidos como emagrecedores, quem quiser fazer uso do produto precisa tomar alguns cuidados.

Além de se atentar as recomendações dos fabricantes e principalmente dos médicos, o consumidor deve estar disposto a desembolsar um bom dinheiro.

Em 2011, estes medicamentos foram suspensos pela anvisa e, agora que foram novamente permitidos, o preço está até sete vezes mais caro.

Segundo especialistas, as drogas são antigas, não têm patente, tendem a custar pouco e eram boas opções quando bem indicadas para pessoas obesas.

Mas, os novos medicamentos, apesar de eficazes e de terem perfil de segurança mais robusto, podem custar mais de mil reais.