Governo de MG mantém expulsão de 186 policiais

12/07/2017

Por: Redação

Um decreto publicado no Diário Oficial do Estado de Minas Gerais, desta quarta-feira (12), pelo governador Fernando Pimentel negou perdão aos policiais militares que participaram da maior mobilização da categoria em toda a história da corporação. A greve por melhores salários aconteceu em junho de 1997.

No documento divulgado hoje, o político negou a anistia alegando que os servidores públicos que atuam diretamente na área de segurança pública são proibidos de realizarem movimentos grevistas.

Na época, o protesto, que mobilizou quatro mil agentes, em frente ao Palácio da Liberdade terminou com a morte de um cabo da Polícia Militar, que levou um tiro na cabeça. O suposto autor do disparo teria sido o soldado Wedson Campos Gomes. Ele sempre negou o crime, mas foi condenado a oito anos de prisão.

A paralisação das atividades terminou com a expulsão de 186 agentes públicos das corporações Militar e Civil.